Barômetro de Brasília: há 62,5% de chances de Dilma não terminar mandato


Notícia Publicada em 08/03/2016 07:42

Em sua 5ª edição, indicador criado por O Financista mostra que saída antecipada da presidente está mais provável do que nunca


Situação delicada: Dilma enfrenta momento mais difícil de seus cinco anos de governo (Valter Campanato/Agência Brasil)
Situação delicada: Dilma enfrenta momento mais difícil de seus cinco anos de governo (Valter Campanato/Agência Brasil)

SÃO PAULO – Há 62,5% de chances de a presidente Dilma Rousseff não terminar seu mandato, seja por renúncia, impeachment ou cassação de sua chapa pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A avaliação é dos cientistas políticos consultados por O Financista para a 5ª edição do Barômetro de Brasília. O indicador foi criado para avaliar o cenário no centro do poder federal. A probabilidade de interrupção do governo Dilma é a maior, desde que o Barômetro foi lançado, em julho do ano passado.

Participaram, desta edição, seis dos mais renomados cientistas políticos do país: Antônio Lavareda; Carlos Melo (professor do Insper); David Fleischer (professor da UnB); Murillo de Aragão (fundador da consultoria de análise política Arko Advice); Paulo Kramer (consultor político); e Roberto Romano (professor de Ética da Unicamp).

O Barômetro não tem pretensões de ser cientificamente preciso. Seu objetivo é apenas fornecer, aos leitores, a avaliação geral dos especialistas em política em dado instante. Os participantes foram convidados a responder a três questões.

Prego no pudim

A primeira abordou a probabilidade de Dilma não concluir seu mandato, considerando notas de zero (nenhuma chance de a presidente sair antes de 2018) a dez (praticamente 100% de certeza de que Dilma não chegará a 2018). A nota média ficou em 6,25 pontos. Isso significa que, se fosse uma escala de 0% a 100%, a presidente enfrentaria, hoje, 62,5% de chances de sair do Palácio do Planalto mais cedo do que imagina.

Para se ter uma ideia, o resultado é 4,5 pontos percentuais maior que a última edição do Barômetro, publicada em dezembro. Nela, a probabilidade de Dilma cair era de 58% - praticamente em linha com os 57,1% de chances apurados na primeira edição do indicador, em julho do ano passado. Em seu melhor momento, em agosto, a chance de abreviação de seu mandato era de 47,5%.

Como toda enquete, é preciso observar suas nuances. Os seis participantes desta 5ª edição distribuíram suas notas de modo amplo: a faixa de respostas foi de zero a dez. A moda (nota mais citada), contudo, foi 7,5, com três menções. Só um participante atribuiu nota zero à questão, e outro, dez. Traduzindo: a maior parte dos especialistas consultados acredita que, por ora, as chances de interrupção do mandato de Dilma são muito elevadas – cerca de 75%.

A deterioração das perspectivas da presidente deve-se a uma conjunção infernal. A economia despencou 3,80% no ano passado. Foi o pior resultado desde 1990, quando o então presidente Fernando Collor de Mello confiscou a poupança dos brasileiros e acarretou uma queda de 4,35% no PIB. Além disso, há um consenso de que 2016 será outro ano de recessão, e o governo mostra cada vez menos condições de adotar medidas que resgatem o país da crise.

No campo político, a vida de Dilma também não está nada fácil. Sua base aliada se esfacelou, diante de sua baixíssima popularidade e de sua notória falta de habilidade para negociar. A Lava Jato se aproxima como nunca de seu gabinete, com a prisão de João Santana, marqueteiro que a elegeu em 2010 e a reelegeu em 2014; e com a suposta delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) que, até ser preso pela Polícia Federal, era o líder do governo na Casa. Para coroar os problemas, seu antecessor e padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva, está cada vez mais enrolado com as investigações, a ponto de ser levado à força para depor na Polícia Federal – algo que enfureceu os militantes mais aguerridos, que a acusaram de não controlar sua força policial, nem as investigações.

Longe da paz

Por isso, mesmo que Dilma sobreviva ao impeachment, à cassação pelo TSE e à renúncia, dificilmente terá sossego nos três anos que lhe restam no Planalto. Politicamente fraca, com um orçamento estourado e sem apoio popular, sua vitória não significará o fim da crise política. Pelo menos, é o que a maioria dos consultados por O Financista afirma.

A segunda questão do Barômetro de Brasília aborda as probabilidades de a crise política terminar, se Dilma enterrar as tentativas de tirarem-na do poder. A resposta é desanimadora: na média, os participantes da enquete enxergam apenas 25% de chance de paz na política, se Dilma continuar. Para se ter uma ideia de como o ambiente azedou, na edição anterior do Barômetro, o número era de 44%.

Também aqui, a faixa de respostas foi ampla: de zero (nenhuma chance de a crise política acabar) a 7,5 (probabilidade muito alta de término da crise). A nota mais citada, porém, foi 2,5 (baixa probabilidade de fim da crise), com três indicações, seguida por zero, mencionado duas vezes. “O problema não é Dilma terminar formalmente o mandato, mas sim ter condições de permanecer lá”, explica Roberto Romano, professor de Ética da Unicamp. “Mesmo no Planalto, ela ficaria totalmente fora da cena política”, resume.

E depois?

Isso não quer dizer, porém, que sua mera saída significaria uma solução mágica para os problemas do Brasil. Na média, há 58,3% de probabilidade de a crise política terminar, com a abreviação do mandato de Dilma. Parece alto – e é -, mas há duas observações aqui. A primeira é que, com o andar da carruagem, está cada vez mais nebuloso quem pode lucrar com a saída da presidente. Por isso, a certeza de que essa solução apaziguará os ânimos no Planalto Central está menor. Na edição de dezembro do Barômetro, por exemplo, os participantes atribuíram 61% de probabilidade de que a crise passaria neste cenário.

A segunda observação é que a nota mais citada pelos participantes, com três ocorrências, nesta questão, foi 5. Ou, em bom português: pode acontecer qualquer coisa, se Dilma sair. “Neste caso, a questão é o que seria o pós-Dilma”, lembra Romano, da Unicamp. Um eventual novo governo teria força e coragem para adotar as medidas necessárias para reverter a crise? Até onde enxerga a maioria dos especialistas deste Barômetro, o 5 indica que “pode ser que sim, pode ser que não”.

Leia também:

4ª Edição do Barômetro de Brasília: há 58% de chances de Dilma sofrer impeachment

3ª Edição do Barômetro de Brasília: chances de impeachment de Dilma voltam a subir

2ª Edição do Barômetro de Brasília: caem as chances de impeachment de Dilma

1ª Edição do Barômetro de Brasília: chance de Dilma cair supera 50%

Entenda como o “Barômetro de Brasília” é feito 

  • Dilma Rousseff
  • Impeachment
  • Barômetro de Brasília
  • Recessão
  • Lula
  • crise econômica
  • crise política